Os benfeitores de pobres nas Misericórdias do Minho (séculos XVII-XVIII)

Maria Marta Lobo de Araújo

Resumo


Neste trabalho analisamos os benfeitores das Misericórdias do Minho dos séculos XVII e XVIII, destacando o seu contributo para as práticas de caridade destas instituições. Ao mesmo tempo, chamamos a atenção para a importância dos seus legados para a constituição e reforço do património destas confrarias, demonstrando como as preocupações com a salvação da alma os aproximaram dos pobres e se refletiram no crescimento do seu património material e imaterial.

Situadas numa região de forte emigração para o Brasil, as Misericórdias do Minho receberam importantes legados de benfeitores “brasileiros”, incrementando a distribuição de dotes de casamento, a assistência à doença e a dádiva de esmolas aos pobres. Porém, não apenas estes, mas muitos outros beneficiaram as Santas Casas na esperança de salvarem a sua alma.


Palavras-chave


Benfeitores. Pobres. Misericórdias.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.14295/rbhcs.v9i17.409

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Brasileira de História & Ciências Sociais - RBHCS

Qualis Capes B1 - A Nacional

ISSN 2175-3423


 

Indexada em: 

 

A Revista Brasileira de História & Ciências Sociais utiliza  Licença Creative Commons Attribution 4.0

Creative Commons License

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia