Uma "artéria necessária" para o progresso: a Estrada de Ferro de Bragança (Pará – 1883-1908)

Franciane Gama Lacerda

Resumo


O texto discute a construção da Estrada de Ferro de Bragança, pensada como um serviço público que ligaria a capital do Pará, Belém, à cidade de Bragança (Pará), e ao mesmo tempo a incorporação de tal serviço na vida das populações atendidas por esses caminhos de ferro e os variados sentidos dados a instalação e utilização desse serviço público no Pará de 1883 a 1908, período que corresponde ao contexto de construção dessa ferrovia.

Palavras-chave


Ferrovia, civilização, Pará

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Marta. Meninas perdidas: o cotidiano do amor na Belle Époque. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1889.

CANCELA, Cristina. Donza. Casamento e família em uma capital amazônica (Belém 1870-1920). Belém: Açaí, 2011.

CHALHOUB, Sidney. A cidade febril: cortiços e epidemias na corte imperial. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

CHALHOUB, Sidney. Trabalho, Lar e Botequim: o cotidiano dos trabalhadores pobres no Rio de Janeiro na belle-époque. São Paulo: Brasiliense, 1986.

COSTA, Angela Marques de & SCHWARCZ, Lilia Moritz. 1890-1914: no tempo das certezas. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

COSTA, Angela Marques de & SCHWARCZ, Lilia Moritz. 1890-1914: no tempo das certezas. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

CRUZ, Ernesto. A estrada de Ferro de Bragança: visão social, econômica e política. Belém: Falângola, 1955.

DIAS, Edinéa Mascarenhas. A ilusão do fausto – Manaus 1890-1920. Manaus: Valer, 1999.

DRUMMOND, José Augusto. “A história ambiental: temas, fontes e linhas de pesquisa”. Estudos Históricos, vol. 4, nº 8 (1991), pp. 177-97.

EL-KAREH, Almir Chaiban. Filha Branca de Mãe Preta: A Companhia Estrada de Ferro D. Pedro II (1855-1865). Petrópolis: Vozes, 1982.

Falla com que o Exm. Sr. General Barão de Maracajú abrio a 2ª sessão da 23ª Legislatura da Província do Pará em 15 de fevereiro de 1883. Pará. Impresso na Typ do Jornal da Tarde, 1883.

Falla com que o Exm. Snr. Desembargador Joaquim da Costa Barradas abriu a sessão extraordinária da Assembléa Legislativa Provincial do Pará em 20 de novembro de 1886. Belém: Typ. Diario de Notícias, 1887.

Falla com que o exm. sr. conselheiro Francisco José Cardoso Junior, primeiro vice-presidente da provincia do Pará, abrio a 1.a sessão da 26.a legislatura da Assembléa Provincial no dia 4 de março de 1888. Pará, Typ. do “Diario de Notícias”, 1888.

FARIAS, William Gaia. A construção da República no Pará. Belém: Açaí, 2016.

FENELON, Déa Ribeiro (org.). Cidades. São Paulo: PUC/Olho d’Água, 1999.

Folha do Norte. Belém/Pará 1896

GONZÁLEZ DE MOLINA, Manuel. Historia y medio ambiente. Madri: Eudema, 1993.

HARDMAN, Francisco Foot. Trem fantasma: a modernidade na selva. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

HENRIQUE, Márcio Couto & AMADOR. Luiza Helena Miranda. “Da Belle Époque à cidade do vício: o combate à sífilis em Belém do Pará, 1921-1924”. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.23, n.2, abr.-jun. 2016, pp.359-378.

HOBSBAWN, Eric. A Era dos Impérios 1875-1914. 2ª Edição, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

LACERDA, Franciane & VIEIRA, Elis Regina Corrêa. “O Celeiro da Amazônia”: agricultura e natureza no Pará na virada do século XIX para o XX. In: Topoi - Revista de História. Volume, 16, Nº30, Janeiro-Junho 2015.

LACERDA, Franciane Gama. Migrantes cearenses do Pará: faces da sobrevivência (1889-1916). Belém: Açai, FAPESPA, Programa de Pós Graduação em História Social da Amazônia (UFPA), Centro de Memória da Amazônia (UFPA), 2010.

MACIEL, Laura Antunes. Cultura e tecnologia: a constituição do serviço telegráfico no Brasil. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 21, nº 41, 2001, pp.127-144.

MACIEL, Laura Antunes. Cultura e tecnologia: a constituição do serviço telegráfico no Brasil. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 21, nº 41, 2001, pp.127-144.

MARINHO, Pedro Eduardo Mesquita de Monteiro. “Companhia Estrada de Ferro D. Pedro II: a grande escola prática da nascente Engenharia Civil no Brasil oitocentista”. Topoi (Rio J.), Rio de Janeiro, v. 16, n. 30, p. 203-233, jan./jun. 2015.

MARINHO, Pedro Eduardo Mesquita de Monteiro. “Companhia Estrada de Ferro D. Pedro II: a grande escola prática da nascente Engenharia Civil no Brasil oitocentista”. Topoi (Rio J.), Rio de Janeiro, v. 16, n. 30, p. 203-233, jan./jun. 2015.

MATTOS, Dirceu Lino. “Impressões de uma viagem à zona bragantina do Pará”. Boletim Paulista de Geografia, nº 30 (1958).

Mensagem dirigida ao Congresso Republicano Paraense pelo Governador do Estado Dr. Paes de Carvalho. Para: Imprensa do Diario Official, 1897. (01 de fevereiro de 1897).

Mensagem dirigida ao Congresso do Estado do Pará pelo Dr. José Paes de Carvalho governador do Estado em 15 de abril de 1899 apresentando o orçamento da receita e despesa para o exercício de 1899-1900. Belém: Typ do Diario Official, 1899.

Mensagem dirigida ao Congresso do Estado do Pará pelo Dr. José Paes de Carvalho governador do Estado em 1 de fevereiro de 1901. Belém: Typ do Diario Official, 1901.

Mensagem dirigida em 7 de setembro de 1902 ao Congresso Legislativo do Pará pelo Dr. Augusto Montenegro governador do Estado. Belém: Imprensa Official, 1902.

Mensagem dirigida em 7 de setembro de 1903 ao Congresso Legislativo do Pará pelo Dr. Augusto Montenegro governador do Estado. Belém – Pará: Imprensa Official, 1903.

Mensagem dirigida em 7 de setembro de 1905 ao Congresso Legislativo do Pará pelo Dr. Augusto Montenegro governador do Estado. Belém – Pará: Imprensa Official, 1905.

Mensagem dirigida em 7 de setembro de 1906 ao Congresso Legislativo do Pará pelo Dr. Augusto Montenegro governador do Estado. Belém – Pará: Imprensa Official, 1906.

Mensagem dirigida em 7 de setembro de 1907 ao Congresso Legislativo do Pará pelo Dr. Augusto Montenegro governador do Estado. Belém – Pará: Imprensa Official, 1907.

MUNIZ, Palma. Estado do Grão-Pará – Imigração e Colonização. História e Estatística 1616-1916. Belém: Imprensa Oficial do Estrado do Pará, 1916.

NUNES, Francivaldo Alves. Benevides: uma experiência de colonização na Amazônia no século XIX. Riode Janeiro: Corifeu, 2009.

PÁDUA, José Augusto. Um sopro de destruição. Pensamento político e crítica ambiental no Brasil escravista (1786-1888). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2002; MARTINEZ, Paulo Henrique. História ambiental no Brasil. São Paulo: Cortez, 2006.

PECHMAN, Robert Moses (org.). Olhares sobre a cidade. Rio de Janeiro: UFRJ, 1994.

PENTEADO, Antônio Rocha. Problemas de Colonização e de Uso da Terra na Região Bragantina do Estado do Pará. Belém: Universidade Federal do Pará, 1967 PENTEADO, Antonio Rocha. O Uso da Terra na Região Bragantina – Pará. São Paulo: Instituto de Estudos Brasileiros – USP, 1968.

PINHEIRO, Maria Luiza. A cidade sobre os ombros: trabalho e conflito no Porto de Manaus (1899-1925). 2.ed. Manaus: Governo do Estado do Amazonas/ Secretaria de Estado e Cultura/ EdUA/UEAM, 2003.

PRADO, Maria Ligia & CAPELATO, Maria Helena Rolim “A Borracha na Economia Brasileira da Primeira República” In: FAUSTO, Boris (org). História Geral da Civilização Brasileira. São Paulo: Difel, 1977, vol. 8, pp. 285-307.

RAGO. Luzia Maragareth. Do Cabaré ao Lar: a utopia da cidade disciplinar-1890-1930. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985

REIS, Ana Isabel Ribeiro Parente Cortez. O Espaço a serviço do tempo: A Estrada de Ferro de Baturité e a Invenção do Ceará. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Ceará/Programa de Pós-Graduação em História Social. 2015.

REIS, Ana Isabel Ribeiro Parente Cortez. O Espaço a serviço do tempo: A Estrada de Ferro de Baturité e a Invenção do Ceará. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Ceará/Programa de Pós-Graduação em História Social. 2015.

Relatório com que o Exm. Senr. Conselheiro João Antonio d’Áraujo Freitas Henriques passou a administração da Província do Pará ao Exm. Senr. Desembargador Joaquim da Costa Barradas em 6 de outubro de 1886. Pará:Typ. da República, 1887.

Relatório com que o Exm.Sr. Miguel José d'Almeida Pernambuco, Presidente da Província do Pará, passou a Administração da mesma ao Vice Presidente da Província Exm. Senr. Dr. João Polycarpo dos Santos Campos em 18 de março de 1889. Pará, Typ. de A.Fructuoso da Costa, 1889.

RONCAYOLO, Marcel. “Transfigurações noturnas da cidade: o império das luzes artificiais” In: Projeto História, São Paulo, nº 18, maio, 1999.

RONCAYOLO, Marcel. “Transfigurações noturnas da cidade: o império das luzes artificiais” In: Projeto História, São Paulo, nº 18, maio, 1999.

SÁ, Dominichi Miranda de. SÁ, Magali Romero, LIMA, Nísia Trindade. “Telégrafos e inventário do território no Brasil: as atividades científicas da Comissão Rondon (1907-1915)”. In: História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro v.15, n.3, jul.-set. 2008, p.779-810.

SAES, Flavio Azevedo Marques. As ferrovias de São Paulo (1870-1940). São Paulo/Brasília: Hucitec/INL, 1981.

SANTOS, Roberto Araújo de Oliveira. História econômica da Amazônia (1800-1920). São Paulo: T.A. Queiroz, 1980.

SARGES, Maria de Nazaré. Riquezas produzindo a belle époque – Belém do Pará (1870-1910). Belém: Paka-Tatu, 2000.

SCHWEICKARDT, Julio César. & LIMA, Nísia. Trindade. “Do “inferno florido” à esperança do saneamento: ciência, natureza e saúde no Estado do Amazonas durante a Primeira República (1890-1930)”. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 5, p. 399-415, 2010.

SEVCENKO, Nicolau. “A capital irradiante: técnica, ritmos, e ritos do Rio”. In: SEVCENKO, Nicolau (Org.): História da vida privada no Brasil 3 – República: da Belle Époque à Era do Rádio”. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, pp. 513-619.

SILVA, Marcos Antônio da. Caricata República: Zé Povo e o Brasil. São Paulo: Marco Zero/ CNPQ, 1990.

THOMAS, Keith. O homem e o mundo natural: mudanças de atitude em relação às plantas e aos animais (1500-1800). São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

WEINSTEIN, Barbara. A Borracha na Amazônia: expansão e decadência (1850-1920). São Paulo: Hucitec/Edusp, 1993.

WOLFF, Cristina Scheibe. Mulheres da Floresta: uma história: Alto Juruá, Acre (1890-1945). São Paulo: Hucitec, 1999

WORSTER, Donald. “Para fazer história ambiental” [1988]. Estudos Históricos, vol. 4, nº 8 (1991), pp. 198-215.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Brasileira de História & Ciências Sociais - RBHCS

Qualis Capes B1 - A Nacional

ISSN 2175-3423

Universidade Federal do Rio Grande - FURG


A Revista Brasileira de História & Ciências Sociais utiliza  Licença Creative Commons Attribution 4.0

Creative Commons License

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia