Juan Calfulcurá e os crioulos. Protagonismo indígena no Pampa argentino na primeira metade do século XIX

Ana Carollina Gutierrez Pompeu, Alessandra Gonzalez de Carvalho Seixlack

Resumo


A ocupação das áreas indígenas do Pampa pelo Estado argentino foi derivada de um longo processo marcado por conflitos e pela capacidade indígena de negociação e adaptação às diferentes realidades políticas do século XIX. Juan Manuel de Rosas, governador da província de Buenos Aires, colocou os tratados interétnicos como uma das principais formas de manutenção da paz na fronteira com os índios, quando não era possível a incorporação territorial pelos crioulos. Chamada de “Negócio Pacífico de Índios”, essa forma de negociação que mesclava diplomacia e conflito terminou por fortalecer alguns personagens indígenas, como o longko salinero Juan Calfulcurá, que soube habilmente conduzir o diálogo com os crioulos. Essa dinâmica de interações durou com maior ou menor intensidade até a década de 1870, quando a consolidação do Estado nacional na Argentina modificou a tônica das relações com os índios do Pampa, colocando o conflito como única via para a incorporação territorial.


Palavras-chave


Fronteira Interna. Juan Calfulcurá. Argentina.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14295/rbhcs.v10i20.474

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Revista Brasileira de História & Ciências Sociais - RBHCS

Qualis Capes B1 - A Nacional

ISSN 2175-3423

Desde 07 de março de 2009 

 

A Revista Brasileira de História & Ciências Sociais utiliza  Licença Creative Commons Attribution 4.0

Creative Commons License

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia